Ex-diretora jurídica da Apple faz acordo em processo

quinta-feira, 14 de agosto de 2008 16:09 BRT
 

Por Karey Wutkowski

WASHINGTON (Reuters) - Nancy Heinen, ex-diretora jurídica da Apple, concordou em pagar 2,2 milhões de dólares para encerrar um processo em que é acusada de colocar datas antigas em opções, anunciou nesta quinta-feira o órgão regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês).

Heinen também concordou em não trabalhar como diretora de qualquer empresa com ações negociadas em bolsa durante cinco anos. Ela fechou acordo sobre o caso sem admitir ou negar as acusações, de acordo com a SEC.

As acusações se relacionam a dois benefícios em opções dadas a executivos da Apple, incluindo 7,5 milhões de opções de concedidas ao presidente-executivo da empresa, Steven Jobs, em dezembro de 2001.

A fabricante de bens eletrônicos de consumo também foi investigada por irregularidades na contabilidade de opções concedidas a funcionários. A SEC posteriormente inocentou a empresa de quaisquer delitos, depois que a companhia aceitou cooperar com a investigação, mas abriu processo contra Fred Anderson, ex-vice presidente de finanças da Apple, e contra Heinen.

Jobs não foi acusado no caso. A Apple não quis comentar o acordo assinado por Heinen.

"Tenho afeto pelas pessoas com quem trabalhei na Apple e me orgulho de minha contribuição para sua virada histórica e atual sucesso", afirmou Heinen em comunicado. "Tendo deixado para trás esse processo, agora quero enfrentar desafios ainda maiores de promover justiça social e enfrentar a disparidade econômica."

A SEC alegava que Heinen levou a Apple a antedatar de forma fraudulenta as opções concedidas, o que teria feito com que a companhia reportasse despesas cerca de 40 milhões de dólares inferiores às reais.