Greve de auditores motiva aumento da venda ilegal de PCs

quinta-feira, 15 de maio de 2008 17:05 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado brasileiro realizou a venda de 2,5 milhões de microcomputadores no primeiro trimestre de 2008, o equivalente a um crescimento de 25,6 por cento ante igual período do ano passado, segundo dados apresentados nesta quinta-feira por um estudo contratado pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) junto à consultoria IT Data. Apesar do dado positivo do crescimento, a pesquisa também detectou avanço das vendas de microcomputadores ilegais, aqueles montados com peças muitas vezes contrabandeadas. No segmento de desktops, a participação das máquinas ilegais passou para 32 por cento contra 29 por cento em 2007.

Segundo o presidente da Abinee, Humberto Barbato, esse crescimento foi favorecido pela greve dos auditores da Receita Federal, em decorrência da retenção de componentes oficiais na alfândega.

Segundo os números divulgados pela Abinee, foram vendidos 1,85 milhão de computadores de mesa (desktops) de janeiro a março, volume 5,8 por cento maior que no mesmo período de 2007.

Já as vendas de notebooks, portáteis que vivem forte crescimento, chegaram a 664 mil unidades no trimestre, um salto de 165 por cento ante o primeiro trimestre do ano passado, fazendo com que o segmento passasse a representar 26 por cento do mercado de computadores pessoais no período.

De acordo com Barbato, o salto de 25 no mercado de computadores foi impulsionado pelo segmento doméstico e também o corporativo, diante do movimento de contratação de pessoas diante do crescimento econômico do país.

"As empresas renovaram a sua base instalada de PCs e, também, fizeram novas aquisições, motivadas pela elevação do número de empregados formais no país", explicou Barbato.

O mercado varejista comercializou 1 milhão de computadores nos primeiros três meses do ano, o equivalente a uma participação de 40 por cento do mercado.

A estimativa da Abinee é que sejam vendidos 11,7 milhões de computadores em 2008, 17 por cento a mais que em 2007. "Tanto o segmento doméstico, principalmente as classes B e C, que ainda estão adquirindo o seu primeiro PC, quanto o mercado corporativo... apresentarão um bom desempenho em 2008", projeta o presidente da Abinee, em comunicado.

Ainda dentro dessa perspectiva, a entidade espera que a participação da venda de notebooks no mercado suba dos atuais 26 por cento para 32,4 por cento até o final do ano. A previsão é de que sejam vendidos 3,79 milhões de laptops no ano, o que representa um crescimento total de 98 por cento, e 7,91 milhões de desktops, uma ligeira queda de 2 por cento.

(Reportagem de Rodolfo Barbosa; Edição de Taís Fuoco)