PF diz que material roubado estava em sonda na bacia de Santos

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008 17:28 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A delegacia da Polícia Federal em Macaé (RJ) informou nesta sexta-feira que os equipamentos com dados sigilosos roubados da Petrobras estavam originalmente em uma sonda da estatal na bacia de Santos, região onde está localizado o megacampo de petróleo de Tupi e a grande reserva de gás e condensado Júpiter.

Segundo descrição preliminar dos fatos repassada pela PF para jornalistas por telefone, foram furtados quatro laptops, e não dois como inicialmente divulgado, e dois pentes de memória RAM.

De acordo com o relato da Polícia Federal, os equipamentos "estavam em um contêiner que foi trazido de uma sonda da bacia de Santos para o Rio de Janeiro e em seguida para Macaé, chegando no dia 30 de janeiro nesta cidade".

"Somente no dia 31 de janeiro os funcionários da empresa Halliburton perceberam que o cadeado que fechava o contêiner havia sido substituído", acrescentou a polícia. Assim, não há clareza sobre o momento em que o roubo ocorreu, no trajeto desde a sonda até Macaé.

Os equipamentos estavam sob a guarda da norte-americana Halliburton, que presta serviços para a Petrobras.

O dado repassado pela PF reforça a suspeita de que as informações armazenadas nos computadores tinham relação com a camada ultraprofunda pré-sal, onde estão as reservas de Tupi e Júpiter.

A Petrobras, apesar de ter confirmado o roubo e informado que os computadores armazenavam dados importantes para a companhia, não forneceu detalhes sobre quais informações seriam essas.

A camada pré-sal, que se estende por 800 quilômetros ao longo da costa brasileira, é foco de forte interesse no setor de petróleo desde que a Petrobras confirmou reservas recuperáveis de 5 a 8 bilhões de barris em Tupi.

A estatal considera a região do pré-sal como de risco exploratório quase zero, ou seja, todo poço perfurado possui grande chance de encontrar petróleo ou gás.   Continuação...