Aparelhos BlackBerry já foram enviados para venda na China

terça-feira, 15 de janeiro de 2008 14:00 BRST
 

HONG KONG (Reuters) - A TCL começou a enviar pacotes do celular BlackBerry para a parceira China Mobile no quarto trimestre de 2007, sugerindo a proximidade do lançamento do popular aparelho de e-mail na China.

Jornais chineses reportaram que os telefones inteligentes (smartphones) podem entrar no mercado este mês, um marco para a fabricante do aparelho, a Research in Motion, que há anos vem num esforço para lançar o BlackBerry no maior mercado de telecomunicações da Ásia.

A RIM tinha expectativa e iniciar as vendas em 2007. Mas executivos afirmaram na semana passada que agora cabe à China Mobile decidir quando o produto deverá ir para as prateleiras.

A TCL Multimedia e TCL Communication, ambas unidades da TCL Corp, afirmaram nesta terça-feira que começaram a despachar os pacotes para a China Mobile no quarto trimestre do ano passado.

"Sim, eles enviaram os pacotes, mas decisão de quando a venda será iniciada fica a cargo da China Mobile", afirmou Lorna Wong, porta-voz do grupo TCL.

Assim que for lançado na China, o BlackBerry logo enfrentará a concorrência de seus equivalentes de baixo custo, incluindo um popular serviço local apelidado de RedBerry.

A TCL não pode fazer previsão de vendas, acrescentou a porta-voz. Executivos da China Mobile preferiram não comentar o assunto. A RIM afirma que nenhum dispositivo foi vendido oficialmente na China, apesar de aparelhos BlackBerry serem vendidos em sites de leilão e no mercado negro.

A empresa afirmou em outubro que um acordo com a Alcatel-Lucent ajudará a distribuir os smartphones no país, e que sua parceria com a China Mobile lhe proporciona uma poderosa plataforma no mercado onde existem mais usuários de rede sem fio do que pessoas nos Estados Unidos.

Mas analistas dizem que o atraso no lançamento pode ter ocorrido porque a RIM, com base no Canadá, precisava provar para Pequim que seus aparelhos não prejudicariam as redes de comunicações chinesas.

(Reportagem de Edwin Chan)