Consórcio de mídia criará novo "ecossistema" de vídeo digital

segunda-feira, 15 de setembro de 2008 11:35 BRT
 

Por Gina Keating

LOS ANGELES (Reuters) - Um grupo de empresas do setor de mídia anunciou que planeja construir um sistema digital no qual aparelhos de vídeo e sites de conteúdo funcionem juntos sem dificuldades e no qual consumidores possam armazenar seu conteúdo digital em segurança e obter acesso a ele de qualquer parte do mundo.

O consórcio de estúdios de cinema, grupos de varejo, fornecedores de serviços, fabricantes de produtos eletrônicos e empresas de tecnologia da informação, conhecido como Digital Entertainment Content Ecosystem, ou Dece, está trabalhando "para uma experiência uniforme de mídia digital", mas não anunciará detalhes antes da convenção Consumer Electronics Show, em janeiro.

O consórcio disse que defenderá a interoperabilidade de aparelhos e sites, bem como regras de uso que permitam que consumidores copiem conteúdo para aparelhos domésticos e que copiem o conteúdo baixado para mídias físicas, disse Mitch Singer, presidente do Dece.

O plano também oferece aos consumidores um "armário de direitos", ou biblioteca virtual, no qual os vídeos digitais que eles adquirem serão armazenados para recuperação de maneira semelhante à empregada para acesso a uma conta de email, disse Singer.

O consórcio planeja criar um logotipo que será colocado em produtos e sites a fim de permitir que os consumidores saibam que os produtos e serviços que estão adquirindo são compatíveis com os padrões Dece.

"Desenvolveremos uma especificação que serviços e fabricantes de produtos eletrônicos poderão empregar sob licença. Eles poderão usar o logotipo nos seus aparelhos para que os consumidores saibam que serão compatíveis com o conteúdo que comprarem", disse Singer.

A nova estrutura digital, disse Singer, viraria de cabeça para baixo o modelo "fechado" da loja online de mídia digital da Apple, a iTunes.

"Trata-se de algo bem diferente do ecossistema da Apple", disse o executivo. "Nós gostaríamos que a Apple se integrasse ao consórcio. Não imaginamos que a Apple venha a deixar de existir ou que esse consórcio vá substitui-la", afirmou.   Continuação...