Demora do governo restringe estréia da TIM na 3a geração celular

quarta-feira, 16 de abril de 2008 14:22 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - O atraso na assinatura dos contratos de terceira geração de celular pelo governo restringiu a estréia da TIM nessa tecnologia. Apesar de ter investido cerca de 1,3 bilhão de reais na compra de licenças para oferecer a nova geração em todo o Brasil, a companhia anunciou nesta quarta-feira a estréia apenas em seis capitais.

Os serviços 3G da TIM foram lançados em Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Recife e Salvador. A estréia nessas cidades aconteceu porque a operadora já tinha faixas ociosas na frequência de 850 MHz, que permite que serviços de terceira geração sejam oferecidos.

O leilão de frequências reservadas ao uso de serviços 3G foi realizado em dezembro passado e o governo vendeu licenças em 2,1 gigahertz em todo o Brasil. Mas o Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu verificar os contratos, o que acabou forçando um adiamento das assinaturas pela Anatel e operadoras, que deveria ter ocorrido dia 10 deste mês.

A companhia de origem italiana também teve de adiar o início da campanha publicitária, que já estava pronta para ser veiculada em todo o país. "Isso quebrou as nossas pernas porque não vamos anunciar algo que ainda não está à venda. Isso complicou um pouco as coisas", disse o presidente da TIM, Mario Cesar de Araújo, em encontro com a imprensa.

Segundo ele, a rede foi implantada em conjunto nas duas frequências, mas sem a assinatura da Anatel a companhia não pode começar a vender os novos serviços no restante do país.

De acordo com o executivo, logo após a assinatura, os serviços de 3G começam a ser vendidos em São Paulo e Rio de Janeiro e, até o final do ano, "em todas as capitais e nas maiores cidades", disse ele. A expectativa é que o TCU libere os contratos para a Anatel ainda este mês e que a assinatura dos termos aconteça em maio.

O atraso fará com que a operadora também perca o Dia das Mães, uma das datas mais fortes para o comércio, na oferta da nova geração. "Os pais é que vão ter celular 3G", disse o executivo.

A operadora informou ter a expectativa de que, ao longo deste ano, 10 por cento das novas adições sejam vinculadas à nova geração. Entre os novos serviços a serem oferecidos estão banda larga móvel, programas de TV no celular, jogos e videochamada. Os produtos fazem parte do plano de investimento de 7,2 bilhões de reais da companhia no triênio 2008-2010.   Continuação...