China declara guerra a games online indesejáveis

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008 14:12 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - O governo chinês estabelecerá novas leis para acabar com elementos "indesejáveis" em jogos online num momento em que o país apresenta um crescente vício em Internet decorrente e forte aumento no número de jogadores, afirmou a imprensa estatal nesta quinta-feira.

O número de jogadores online na China subiu 23 por cento em 2007, para 40,12 milhões de usuários, segundo a agência de notícias Xinhua, citando dados da indústria. A cifra de assinantes regulares, que correspondem a metade dos jogadores, saltou 30 por cento.

A demanda fez as vendas de games online atingir 10,57 bilhões de iuans (1,46 bilhão de dólares) em 2007, um crescimento de 61,5 por cento, de acordo com a agência.

A expansão da indústria acompanha pesquisas mostrando um crescente índice de viciados em jogos online, com as autoridades culpando a obsessão pela Intenet pela maioria dos crimes juvenis.

"Apesar de a indústria de games online na China estar aquecida nos últimos anos, os jogos online são considerados por muitos como um tipo de droga psicológica e toda a indústria é marginalizada pelo grosso da sociedade", afirmou Kou Xiaowei, representante da Administração Geral de Imprensa e Publicação, segundo o China Daily.

"Se não fizermos ajustes, a indústria irá sofrer cedo ou tarde", afirmou Kou. O governo chinês proibiu crianças em cyber cafés e no ano passado ordenou que os donos de estabelecimentos desse tipo reforçassem as restrições por tempo de uso depois de muitos casos envolvendo jogadores obsessivos, que morreram de fadiga após uma maratona de jogos.

Mas as tentativas de regular o boom da indústria têm sido limada pela falta de um sistema eficaz de classificação no país e pelo fácil acesso a games piratas em qualquer lugar nas cidades.

(Reportagem de Ian Ransom)