TIM prevê mudança de estratégia com união Oi-Brasil Tel

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008 14:43 BRST
 

BRASÍLIA (Reuters) - A TIM Brasil deverá rever sua estratégia de atuação no país caso haja uma mudança regulatória que autorize os mesmos acionistas a controlar mais de uma concessionária de telefonia no Brasil, afirmaram representantes da empresa nesta quinta-feira.

Uma fusão com a Telefônica, controlada por espanhóis, está, no entanto, descartada.

"Não existe essa possibilidade de fusão da Telefônica e TIM. A TIM vai trabalhar totalmente independente", afirmou o presidente da TIM Participações, Mário César de Araújo, a jornalistas nesta quinta-feira.

"Na hora em que muda o ambiente competitivo, nós temos que mudar nossa estratégia competitiva", disse o executivo ao comentar a possibilidade de alteração nas regras, sem dar detalhes.

Na última semana, a holding Telemar Participações informou ter intensificado o diálogo para compra da rival Brasil Telecom . A operação exigiria modificação das regras e o governo ainda avalia qual seria a melhor forma de possibilitar a criação de uma megaempresa de telecomunicações com capital nacional.

Franco Bernabe, presidente-executivo da Telecom Italia, controladora da TIM, afirmou que a empresa deverá superar, no triênio 2007-2007, os investimentos no Brasil de 6 bilhões de reais inicialmente previstos.

"Creio que vamos aumentar os investimentos porque achamos que o mercado pode se expandir bem além da telefonia móvel", afirmou o executivo a jornalistas. Bernabe está no Brasil para visita de três dias.

Segundo ele, a alocação de recursos para tecnologia de terceira geração (3G) deverá responder pela maior parte do aumento dos investimentos.

A empresa espera começar a oferecer serviços de 3G ainda no primeiro trimestre deste ano, depois ter adquirido licenças em leilão da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em dezembro.

(Por Isabel Versiani)