Sony venderá linhas de produção de chips do PS3 à Toshiba

quinta-feira, 18 de outubro de 2007 10:45 BRST
 

TÓQUIO (Reuters) - A Sony venderá suas instalações de produção de microprocessadores e chips gráficos usados no console de videogame PlayStation 3 à Toshiba, como parte de sua mais recente campanha para se concentrar em atividades essenciais.

O preço e outros detalhes da transação não foram definidos ainda, anunciou a Sony na quinta-feira, mas fontes próximas ao assunto dizem ser provável que o preço exceda os 100 bilhões de ienes (858 milhões de dólares).

Apesar da venda planejada de algumas das instalações para a produção de chips essenciais do PS3, porém, as operações de videogames continuarão a ser um dos negócios centrais da Sony, anunciou Daichi Yamafuji, porta-voz da empresa.

O conglomerado de entretenimento e eletrônica planeja vender à Toshiba sua unidade de produção do microprocessador "Cell", localizada em Nagasaki, e sua linha de produção do chip gráfico "RSX", em Oita, ambas no oeste do Japão, até março de 2008.

A Sony também anunciou que vai cooperar com a IBM no desenvolvimento da próxima geração do chip Cell, em uma estratégia que permitirá a companhia manter ritmo acelerado de desenvolvimento do principal componente do PS3 e reduzir a exposição do grupo aos caros ativos envolvidos na produção de microchips.

Desenvolver chips mais avançados e menos custosos para o PS3 é essencial para a deficitária divisão de videogames da Sony, já que componentes de ponta como o chip Cell e um player de DVD de alta definição causaram elevação do preço de venda e reduziram a demanda pelo produto.

A Sony, que produz também câmeras digitais Cyber-shot, computadores Vaio e televisores tela plana Bravia, além do PS3, anunciou em fevereiro que reduziria gastos com chips e que não produziria em suas instalações uma versão avançada dos chips "Cell" com circuitos de 45 nanômetros.

Um nanômetro equivale a um bilionésimo de metro, e circuitos mais estreitos reduzem o tamanho de um chip e ajudam os fabricantes a reduzir o custo unitário de produção.