OI quer captar no exterior cerca de R$3 bi para compra da BrT

sexta-feira, 18 de julho de 2008 18:47 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo de telecomunicações Oi informou nesta sexta-feira que avalia obter, até final de outubro, cerca de 3 bilhões de reais para completar a necessidade de recursos para a compra da Brasil Telecom, anunciada no final de abril.

Entre as opções avaliadas pela Oi para a captação da terceira etapa estão lançamento de bônus internacionais, captação de empréstimos bancários no exterior e tomada de recursos junto a organismos multilaterais, informou a companhia em comunicado à imprensa.

Segundo o grupo, a Oi já obteve a maior parte da estrutura de capital necessária para a compra da Brasil Telecom. As captações para a aquisição da companhia somarão cerca de 11 bilhões dos cerca de 13 bilhões de reais que a Oi espera desembolsar na operação.

O grupo estruturou a captação de recursos, que também contará com caixa da Oi, em três etapas. A primeira corresponde a empréstimo de 4,3 bilhões de reais junto ao Banco do Brasil, que terá custo de CDI mais 1,80 por cento ao ano, incluindo tributação de IOF, e prazo médio de 4,9 anos. O empréstimo foi anunciado na quarta-feira.

A segunda etapa está sendo estruturada junto aos bancos Santander, Bradesco e Itaú, informou a Oi. Essa parte consistirá de emissão de notas promissórias no valor de 3,6 bilhões de reais, com custo de CDI mais 1,60 por cento ao ano pelo prazo de dois anos.

A terceira etapa corresponde aos estudos para captação dos 3 bilhões de reais restantes no exterior.

Os 13 bilhões de reais estimados pela Oi correspondem à aquisição do controle da Brasil Telecom e às ofertas, voluntária e obrigatória, de compra de ações dos acionistas minoritários da companhia.

No fim do primeiro trimestre deste ano, a dívida líquida da Oi correspondia a 0,4 vezes sua geração de caixa anual. "Pelos padrões internacionais, essa relação pode chegar a 2,5 vezes sem impor dificuldades na administração do passivo", informou a empresa em comunicado à imprensa.

A Oi anunciou oferta para compra da Brasil Telecom em 25 de abril e a união das empresas ainda depende de mudança na legislação atual do setor, algo que está sendo estudado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O atual Plano Geral de Outorgas (PGO) impede que uma companhia detenha duas concessões de telefonia, como será o caso da compra da Brasil Telecom pela Oi.

(Reportagem de Alberto Alerigi Jr.; Edição de Vanessa Stelzer)