ENTREVISTA-Anatel rechaça críticas à portabilidade de números

terça-feira, 22 de julho de 2008 10:18 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) garante que até 10 de março de 2009 todos os brasileiros poderão usufruir do recurso de mudar de operadora, fixa ou móvel, e levar consigo o número de sua linha.

A agência rebate, uma a uma, todas as críticas ou possíveis dificuldades que o processo possa enfrentar e até despreza pesquisas sobre o sucesso da medida. Para a autarquia, o importante é garantir que o consumidor tenha esse direito.

O trabalho de implantar a portabilidade numérica no país, a partir de 1o de setembro deste ano, está sob a coordenação de Luis Antonio Vale Moura, coordenador do Grupo de Implementação da Portabilidade (GIP) da agência.

Sobre a possibilidade, aventada por algumas operadoras, de que o calendário seja apertado demais e sofra atrasos, Moura afirma que os testes entre operadoras, que ainda não envolveram clientes, começaram em 15 de julho, como previsto, e devem se estender até o final de agosto.

O presidente da Telefônica, por exemplo, Antonio Carlos Valente, afirmou no início deste mês que o processo estava atrasado e que se preocupava com o cronograma "apertado" e com possíveis vulnerabilidades nas redes das operadoras por conta da pressa.

Questões de prazo, de acordo com Moura, foram todas discutidas no grupo de executivos do GIP. "Nenhuma (operadora) apresentou razões para atraso no processo", reiterou ele em entrevista à Reuters.

Por isso, "a menos que surja algum fato novo ou algum imprevisto", o cronograma será mantido. Moura explica que "o cronograma foi elaborado pelas próprias operadoras, a Anatel só estipulou o prazo final".

Na primeira etapa, que começa em 1o de setembro, vai ser atendido um contingente de 9 a 10 por cento da planta total de assinantes de telefonia fixa e móvel do país. As regiões para essa primeira fase, "foram escolhidas de acordo com a conveniência das operadoras", aponta.   Continuação...