Primeiro dia de leilão de licenças 3G arrecada R$2,44 bilhões

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 22:01 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Mais um leilão de concessões do governo federal que surpreendeu pela disputa acirrada teve início nesta terça-feira na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). No primeiro dia de disputas por licenças de telefonia de terceira geração (3G), foram leiloados cinco lotes com arrecadação de 2,44 bilhões de reais, com ágio médio de 153,79 por cento.

A soma dos preços mínimos dos 36 lotes em disputa é de cerca de 2,8 bilhões de reais. A terceira geração da telefonia móvel permite serviços avançados, como a realização de teleconferências pelo celular.

Somente as quatro maiores operadoras arremataram lotes no primeiro dia. Apenas para a região que engloba os Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe, o ágio médio superou os 160 por cento

Para o único lote leiloado da segunda área --que engloba áreas de cobertura no Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Rondônia e Acre-- o ágio foi de 132,2 por cento.

O adicional sobre o preço mínimo das licenças foi crescendo ao longo do dia, passando de ágio de pouco menos de 90 por cento, ofertado pela Vivo, até 274 por cento do lance vencedor da Claro.

"A gente está considerando esses ágios bem excessivos. Temos também dúvidas se os investimentos (para a oferta dos serviços 3G) serão compensados por maior receita, pelo menos no curto prazo", disse a analista Beatriz Battelli, da corretora Brascan.

Apesar da ressalva da analista, as ações das operadoras listadas na Bovespa tiveram alta expressiva. A Vivo subiu 6,51 por cento, cotada a 9 reais, enquanto a TIM teve alta de 8,28 por cento, a 6,28 reais, e a Oi ficou mais em linha com a Bovespa, com ganho de 2 por cento, ao preço de 34,60 reais. O Ibovespa fechou em 61.096 pontos, com valorização de 2,12 por cento.

No primeiro lote colocado à venda nesta manhã, a Vivo ofereceu 310.356.000 reais, ágio de 89,6 por cento sobre o preço mínimo de 163,7 milhões de reais. No segundo lote, com licença um pouco mais cara devido a faixa maior, a Oi foi vencedora com proposta de 467,9 milhões de reais, 90,6 por cento acima do valor mínimo de 245,5 milhões de reais.

A TIM foi agressiva, e com lance de 528 milhões de reais equivalente a ágio de 222,6 por cento, levou um lote na disputa com Claro e Nextel. No leilão do último lote referende à mesma área, a Claro finalmente conseguiu a licença com proposta de 612 milhões de reais, 273,92 por cento de ágio.   Continuação...