Banda larga cresce 36% no país em 12 meses, aponta pesquisa

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 14:49 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O número de conexões banda larga no país cresceu 36 por cento no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2006, para 7,1 milhões de acessos, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça-feira.

Na comparação com o segundo trimestre deste ano, o incremento no número de conexões foi de 8,3 por cento, segundo levantamento da empresa de pesquisa IDC patrocinado pela fabricante de equipamentos de rede Cisco.

A expansão aconteceu com queda nos preços das conexões e crescimento nas vendas de computadores. Os dados do estudo mostram que o preço das conexões com velocidades entre 1 e 2 megabits por segundo caiu 30 por cento no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2006. Nas velocidades acima desse nível, a queda no preço foi menor, de 4,1 por cento.

Nas velocidades inferiores a 1 megabit, a pesquisa afirma que houve queda nos preços de cerca de 12 por cento no período. "Trata-se de um tipo de acesso que já atingiu seu preço mínimo (cerca de 50 reais mensais) e, a partir de agora, deve passar apenas por frequentes aumentos de banda, sem alterar o valor", informa o estudo, acrescentando que os preços cobrados no Brasil são maiores que os praticados em outras regiões como o Leste Europeu.

Em termos de tecnologia, as linhas banda larga ADSL, que trafegam dados por cabos telefônicos, detêm 75 por cento de participação, enquanto as conexões via rede de TV a cabo ficam com parcela de 22,6 por cento.

O Estado de São Paulo é a maior região consumidora de banda larga no Brasil, com cerca de 40,1 por cento do mercado total e penetração sobre a população de 6,7 por cento. Em termos nacionais, o acesso rápido à Web é usado por 3,8 por cento da população.

(Por Alberto Alerigi Jr.)