Executivo da Microsoft critica acordo do Yahoo com Google

sexta-feira, 20 de junho de 2008 16:33 BRT
 

CANNES, França (Reuters) - Um executivo da Microsoft criticou na sexta-feira um acordo de publicidade entre os líderes das buscas na Web Google e Yahoo, afirmando que ele vai reduzir a competição, além de ser ruim para os anunciantes.

Kevin Johnson, presidente da divisão de Plataformas e Serviços da Microsoft, fez os comentários no "Debate Cannes" moderado por sir Martin Sorrell, presidente-executivo do grupo britânico de publicidade WPP, e acompanhado por representantes do Yahoo e da AOL.

Na semana passada, o Yahoo concordou em permitir que o Google coloque anúncios vinculados a buscas depois de anunciar que negociações de fusão com a Microsoft tinham fracassado.

Reagindo à fala de Hilary Schneider, vice-presidente executiva da divisão de Soluções Globais de Parcerias do Yahoo, que descreveu o acordo com o Google como "ganha-ganha", Johnson afirmou: "Se ganhar é consolidar cerca de 90 por cento da busca paga com o Google, ok, você pode dizer que para o Google foi uma vitória."

Comentando os planos da Microsoft, ele afirmou: "Vamos continuar a investir. Vamos concentrar nossa estratégia e montar uma plataforma publicitária de classe mundial."

CANNES, França, 20 de junho (Reuters) - Um executivo da Microsoft criticou na sexta-feira um acordo de publicidade entre os líderes das buscas na Web Google e Yahoo, afirmando que ele vai reduzir a competição, além de ser ruim para os anunciantes.

Kevin Johnson, presidente da divisão de Plataformas e Serviços da Microsoft, fez os comentários no "Debate Cannes" moderado por sir Martin Sorrell, presidente-executivo do grupo britânico de publicidade WPP, e acompanhado por representantes do Yahoo e da AOL.

Na semana passada, o Yahoo concordou em permitir que o Google coloque anúncios vinculados a buscas depois de anunciar que negociações de fusão com a Microsoft tinham fracassado.

Reagindo à fala de Hilary Schneider, vice-presidente executiva da divisão de Soluções Globais de Parcerias do Yahoo, que descreveu o acordo com o Google como "ganha-ganha", Johnson afirmou: "Se ganhar é consolidar cerca de 90 por cento da busca paga com o Google, ok, você pode dizer que para o Google foi uma vitória."

Comentando os planos da Microsoft, ele afirmou: "Vamos continuar a investir. Vamos concentrar nossa estratégia e montar uma plataforma publicitária de classe mundial."