HP pode gastar bilhões em estratégia de aquisições

quinta-feira, 22 de novembro de 2007 09:52 BRST
 

Por Jim Finkle

BOSTON, Estados Unidos (Reuters) - A Hewlett-Packard vai estudar a possibilidade de investir bilhões de dólares para adquirir uma empresa de software, com o objetivo de expandir seus negócios de mais rápido crescimento, disse Tom Hogan, que comanda as operações de software da empresa, em entrevista à Reuters.

Hogan afirmou que está procurando líderes de mercado na produção de software de administração de dados e programas de informações de negócios, para transações que podem ser concretizadas dentro dos próximos 12 meses, mas preferiu não fornecer nomes específicos.

A HP está desenvolvendo uma estratégia de fusões e aquisições que começou no ano passado quando tomou o controle da Mercury Interactive por 4,5 bilhões de dólares. Antes disso, a maior fabricante mundial de computadores pessoais tentava reduzir riscos, promovendo pequenas aquisições.

"Nós vamos determinar quem é o líder do mercado", disse Hogan na entrevista, esta semana. "Em alguns segmentos, pode ser uma empresa de entre 300 milhões e 500 milhões de dólares; em outros pode ser uma transação da ordem de 5 a 10 bilhões de dólares. Mas é isso que precisaremos gastar pelo controle de uma líder de mercado."

Uma das maiores produtoras de software de administração de dados é a Symantec, que entrou nesse segmento quando adquiriu a Veritas, em 2005. Uma porta-voz da Symantec preferiu não comentar, afirmando que é política da empresa não discutir especulações sobre fusões e aquisições.

As empresas que produzem software de informação de negócios --programas que analisam tendências de mercado-- vêm atraindo muito interesse como alvos de tomadas de controle, este ano. A IBM tem planos de adquirir a Cognos, a SAP tomou o controle da Business Objects e a Oracle abocanhou a Hyperion Solutions.

Hogan se declarou interessado em produtos que façam backup e salvem mensagens de email e preservem dados para fins de fiscalização.

"Quando tivermos de agir, vamos procurar o líder indisputado do mercado. Vamos aproveitar a força de nosso balanço, decidir e assinar o cheque. Essa é uma estratégia de aquisições muito diferente", afirmou o executivo.