Participação do Google em buscas na Web nos EUA sobe a 58,5%

quinta-feira, 22 de novembro de 2007 10:07 BRST
 

Por Eric Auchard

SAN FRANCISCO (Reuters) - O Google registrou um de seus maiores avanços mensais no mercado norte-americano de buscas na Web em outubro, reforçando os ganhos consistentes de participação que vem obtendo nos dois últimos anos, de acordo com dados setoriais.

O grupo de pesquisa de mercado comScore informou que os principais endereços de buscas na Web do Google capturaram 58,5 por cento do mercado norte-americano de pesquisas feitas por internautas em outubro, ante 57 por cento em setembro.

Os cinco maiores provedores de serviços de buscas na Internet registraram todos altas de pelo menos cinco por cento no número de buscas que realizaram em outubro. O Yahoo ficou com o segundo posto, atrás do Google, seguido pela Microsoft, pela Ask.com, da IAC/InterActiveCorp, e pela rede de sites da Time Warner, entre os quais o portal America Online.

"Todos estão registrando alta no número de buscas realizadas, mas o Google vem obtendo participação desproporcional", disse Andrew Lipsman, porta-voz da comScore, em entrevista por telefone.

Os sites do Yahoo ficaram com 22,9 por cento do mercado norte-americano, com queda de 0,8 por cento ante setembro; a Microsoft caiu de 10,3 para 9,7 por cento. A Ask.com ficou estacionada em 4,7 por cento, e a rede de sites da Time Warner teve 0,1 por cento de queda, e detinha 4,2 por cento do mercado.

As ações do Google subiram em mais de três por cento, para um pico próximo dos 670 dólares, antes de se acomodarem em 666,51 dólares no pregão da Nasdaq, com alta de 2,8 por cento, na quarta-feira. As ações do Yahoo caíram em 3,1 por cento, para 25,87 dólares, enquanto as da Microsoft perderam meio ponto percentual, cotadas a 34,39 dólares.

Na terça-feira, a corretora Credit Suisse estipulou meta de preço de 900 dólares para as ações do Google, um novo recorde em Wall Street, argumentando que a líder da Internet está a caminho de monopolizar o mercado de buscas.

"Acreditamos que as buscas sejam um setor em que é natural existir monopólio, e antecipamos que, com o tempo, o Google continuará a conquistar mercado, até que atinja efetivamente os 100 por cento", afirmou Heath Terry, analista do Credit Suisse, em nota de pesquisa aos investidores.