Claro ainda sofre "desabastecimentos pontuais" de modems 3G

terça-feira, 22 de julho de 2008 16:11 BRT
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - A Claro afirma que, por mais que tenha se preparado, a demanda por modems de banda larga de terceira geração, que conectam o computador à Internet de alta velocidade, superou todas as suas expectativas.

Ainda que alegue que a situação está muito mais normalizada do que no lançamento da 3G, em novembro passado, a operadora disse ainda enfrentar "desabastecimentos pontuais" do equipamento que conecta os microcomputadores e notebooks, segundo Erik Cordeiro, diretor de marketing da companhia.

O presidente da Claro, João Cox, afirmou que de novembro de 2007 a abril deste ano, a empresa aumentou a capacidade de banda larga em sete vezes, "só para se ter uma idéia do nível de demanda, que é altíssimo", disse ele, em encontro com a imprensa.

Segundo Cox, a empresa não tem limitações de investimento, mas depende de fornecedores dos modems e dos equipamentos de transmissão para atender a todos os clientes.

"A carência de acesso é tão grande que, quanto a gente colocar, vai vender", disse Cox, que acrescentou: "muitos brasileiros só estão tendo acesso à Internet a partir do celular".

A empresa disse ter vários fornecedores de modem, mas explicou que outros estão sendo incorporados para dar conta dos pedidos.

A companhia não revela o número de assinantes que conquistou para a 3G, mas o balanço da América Móvil, controladora da Claro, diz que 9 por cento da receita de serviços do Brasil no segundo trimestre já foram gerados pela terceira geração.

A Claro teve uma receita líquida de 2,84 bilhões de reais entre abril e junho, cifra 17,2 por cento superior à de igual trimestre do ano anterior.

A cobertura de 3G da companhia atingiu 71 cidades do Brasil este mês, em 11 Estados e o Distrito Federal. A Claro adquiriu licenças para todo o país.

(Edição de Vanessa Stelzer)