Alguém quer um Hiphone? A ameaça dos celulares falsos na China

segunda-feira, 23 de junho de 2008 11:27 BRT
 

Por Zhou Zin

PEQUIM (Reuters) - Steve Jobs talvez não perca o sono por conta de celulares que imitam o iPhone, mas marcas chinesas legítimas como a Ningbo Bird estão incomodadas com os modelos falsos, no mundo de feroz competição entre os fabricantes de celulares de baixo preço.

A China é o maior mercado mundial de celulares, mas marcas domésticas como a Ningbo Bird e a Amoi vêm enfrentando dificuldades em meio à intensa concorrência de preços de rivais locais, entre os quais alguns que se especializam em modelos derivativos, depois de perder a posição dominante que detinham no mercado para fabricantes estrangeiros.

"Um usuário da Nokia não seria meu cliente, mas os compradores de aparelhos Ningbo Bird estão ansiosos para experimentar meus produtos", disse Fu Jiangang, proprietário de um site que vende celulares piratas e não registrados.

Fu agora está pensando em atualizar o seu Hiphone, uma imitação escancarada do popular iPhone, da Apple, mas vendida a uma fração do preço do original.

Em quatro pequenas linhas de montagem controladas por um sócio na cidade de Shenzhen, um pólo econômico chinês, Fu responde pela produção de centenas de aparelhos por mês, e seu público-alvo são os agricultores, os trabalhadores migrantes e outros usuários de baixa renda, para expandir sua rede de vendas.

"Não se pode esperar que um agricultor com renda de 10 mil iuans por ano compre um celular de cinco mil iuans", disse Fu. "Mas o agricultor quer um celular que pareça moderno e possa tirar fotos e tocar música."

Os produtos dele concorrem com os da Ningbo Bird e de diversos outros fabricantes chineses, tais como Konka e Lenovo, pela faixa de mais baixo preço no mercado.

A Ningbo Bird anunciou prejuízo de 34 milhões de iuans (4,94 milhões de dólares) no primeiro trimestre, mencionando a feroz concorrência no mercado local, que ela dominava até recentemente.   Continuação...