Ações da Apple despencam 16% por temor com perspectivas

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008 14:37 BRST
 

NOVA YORK (Reuters) - As ações da Apple despencavam 16 por cento na tarde desta quarta-feira, para seu pior nível em quatro meses, em meio à temores sobre as perspectivas da fabricante do iPod, embora muitos analistas de Wall Street acreditem que os papéis devam se recuperar.

As ações caíam 25 dólares, para 130 dólares nas operações do Nasdaq, onde tinham o maior giro, depois que a Apple reportou na terça-feira que previa lucros trimestrais abaixo das estimativas de analistas.

O panorama mais fraco que o esperado apresentado pela empresa semeou receios de que os consumidores estavam cortando gastos e derrubaram todo o mercado, segundo operadores.

Analistas afirmam que a diretriz da Apple e seus temores prolongados sobre a crise de crédito deixavam os investidores desconfortáveis.

Muitas empresas mudaram de opinião sobre a empresa após a divulgação dos resultados, incluindo a Caris, que reduziu sua recomendação para a Apple de "comprar" para "acima da média".

Outros estavam menos pessimistas, apontando o preço-alvo de mais de 200 dólares, um pico somente obtido pela empresa em um curto período em dezembro.

O Citigroup reduziu seu preço-alvo de 215 para 212 dólares enquanto que a RBC o diminuiu de 215 para 200 dólares. O analista do Bear Stearns, Andy Neff, cortou o preço-alvo para 22o dólares. "Apesar de nossa preocupação continuar na potencial desaceleração do gasto do consumidor, vemos a fraqueza da ação no after-market como oportunidade de compra já que a Apple está à beira de um ciclo de produtos", afirmou Neff em nota aos clientes, referindo-se ao lançamento de novos produtos.

Ao baixar seu preço-alvo de 220 para 175 dólares, o analista do Goldman Sachs David Bailey afirma que a Apple precisará elevar as vendas do Mac e iPhones para compensar a redução nas vendas do iPod.

Ainda estimando que a ação da empresa atinja seu preço alvo até o final do ano, Bailey aponta que os papéis da empresa possuem múltiplos mais altos do que outras ações do setor.

(Reportagem de Franklin Paul)