Reino Unido define plano para combater pirataria musical online

quinta-feira, 24 de julho de 2008 14:12 BRT
 

Por Kate Holton

LONDRES (Reuters) - Os setores de música e cinema do Reino Unido lançaram um contra-ataque que tem por alvo a pirataria online ao persuadirem os seis maiores provedores de acesso à Internet no país a enviar cartas de advertência a suspeitos de trocas ilegais de arquivos.

Estima-se que cerca de seis milhões de britânicos se envolvam em trocas ilegais de arquivos a cada ano, e a tendência custou ao setor de música e ao de cinema milhões em receitas perdidas.

Os provedores argumentavam anteriormente que eles são apenas provedores de infra-estrutura e que não respondem pelo conteúdo. Mas aceitaram o acordo depois que o governo britânico anunciou que imporia legislação sobre o assunto, caso eles não agissem para conter a troca ilegal de arquivos.

Os analistas disseram que o plano provavelmente assustaria os usuários mais jovens e os levaria a abandonar os sites ilegais. Os jovens muitas vezes baixam conteúdo sem o conhecimento de seus pais, mas são vistos como apenas o primeiro passo em uma batalha cada vez mais intensa.

"Seria facilmente possível apagar um milhão de pessoas dos sites de troca ilegal de arquivos no Reino Unido e, caso isso seja realizado, representaria um dos maiores sucessos até o momento na luta contra esses serviços", disse Mark Muligan, analista da Jupiter Research, à Reuters.

"Mas isso não será suficiente", acrescentou.

O plano surgiu depois que a França tomou medidas para envolver os provedores de acesso à Internet no combate às violações de direitos autorais realizadas por meio de suas redes, e depois que países como Austrália, Dinamarca, Japão e Nova Zelândia lançaram debates sobre esforços semelhantes.

Nos termos do acordo delineado pelo governo britânico, Virgin Media, BSkyB, Carphone Warehouse, BT, Orange e Tiscali concordaram em trabalhar para "uma redução significativa" na troca ilegal de arquivos.   Continuação...