PF prende 4 e encerra caso da Petrobras como crime comum

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008 15:37 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Polícia Federal anunciou nesta quinta-feira a prisão de quatro envolvidos no roubo de equipamentos com informações sigilosas da Petrobras no mês passado, encerrando o caso como crime comum, e não espionagem industrial.

Todos os detidos são vigilantes de uma empresa que opera na região portuária do Rio de Janeiro. Segundo a PF, eles já realizavam pequenos furtos desde setembro de 2007 no porto fluminense.

"Com essas apreensões e prisões, o furto dos computadores foi resolvido e elucidado", disse em entrevista coletiva o superintendente regional da Polícia Federal no Rio, Valdinho Jacinto Caetano.

"Está absolutamente descartada a hipótese de busca de empresas por informações sigilosas, pirataria, ou algo industrial. O que se estabeleceu foi um crime comum. Eles não tinham idéia do que havia no interior dos computadores", acrescentou o delegado.

Os presos foram detidos na manhã desta quinta-feira em diligências realizadas na zona norte do Rio e na cidade de São Gonçalo, na região metropolitana.

Caetano afirmou que parte do material roubado foi revendido e destruído, e que a lista de objetos furtados é maior do que divulgado inicialmente.

"Essas pessoas estão sendo procuradas por terem recebido aquele equipamento. Há diligências nas ruas à procura dessas pessoas, que serão autuadas pelo crime de receptação", afirmou o superintende.

A PF disse que foram recuperados quatro laptops, uma impressora, um monitor, uma mochila com equipamentos de informática, entre outros equipamentos que teriam sido roubados.

Durante as investigações, a polícia havia informado que quatro laptops, dois discos rígidos, dois pentes de memória, um computador clone (com disco rígido com as mesmas informações de outro equipamento), uma impressora e um gravador de DVD tinham sido roubados.   Continuação...