Inflação pelo IGP-M acelera, mas fica no piso das previsões

quinta-feira, 29 de maio de 2008 08:11 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A inflação pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) atingiu em maio a maior taxa desde dezembro, mas ficou dentro do mínimo esperado pelo mercado. Novamente, a principal pressão veio do atacado, tanto dos custos agrícolas quanto dos industriais.

O indicador subiu 1,61 por cento, ante elevação de 0,69 por cento em abril, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quinta-feira.

Analistas consultados pela Reuters projetavam uma leitura de 1,77 por cento, de acordo com a mediana de 25 estimativas, que variaram de 1,61 a 1,90 por cento.

O Índice de Preços por Atacado (IPA) subiu 2,01 por cento neste mês, contra variação positiva de 0,65 por cento no anterior.

O IPA agrícola registrou avanço de 2,29 por cento em maio, depois de cair 1,19 por cento em abril. O IPA industrial acelerou a alta para 1,91 por cento, ante 1,37 por cento no mês passado.

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) avançou 0,68 por cento, ante taxa de 0,76 por cento em abril. A desaceleração veio da menor alta dos grupos Habitação e Vestuário. Já os preços de Saúde subiram em ritmo maior, enquanto os de Alimentação subiram 1,77 por cento, praticamente a mesma alta do mês anterior.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou alta de 1,10 por cento, depois do aumento de 0,82 por cento em abril.

No ano, o IGP-M acumula alta de 4,74 por cento e nos últimos 12 meses, de 11,53 por cento.

(Por Vanessa Stelzer)