31 de Julho de 2008 / às 12:18 / 9 anos atrás

Vivo cresce com controle de custos e ações disparam

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - A Vivo, maior operadora de celular do país, parece ter agradado aos investidores em um trimestre onde a companhia conseguiu reduzir os custos de aquisição de clientes mesmo com duas datas fortes de comércio--Dia das Mães e Namorados.

Os papéis preferenciais da companhia tiveram a quarta maior alta desta quarta-feira da Bovespa, com elevação de 8,07 por cento sobre o pregão anterior, negociados a 8,84 reais. "O investidor viu que estamos mantendo o controle dos custos e resolveu nos premiar", disse Carlos Raimar, diretor de relações com investidores da Vivo, em entrevista à Reuters.

Segundo ele, a queda de 17,3 por cento nos custos de aquisição de clientes quando comparado ao mesmo trimestre de 2007 foi conseguida com uma série de fatores, como a escala mundial dos aparelhos GSM, que garantem preços mais baixos, além do real apreciado em relação ao dólar e os clientes que compram somente o chip, reduzindo a necessidade de subsídios por parte da operadora.

A empresa também manteve em linha o investimento em rede, apesar de estar ampliando a cobertura. Raimar explicou que a companhia só contabiliza no capex de uma rede nova aquilo que o fornecedor de equipamentos já entregou.

No caso da região Nordeste, para a qual a Vivo comprou licenças no ano passado e já iniciou a montagem da rede, o investimento ainda não foi contabilizado. Na teleconferência com os analistas, o presidente Roberto Lima preferiu não informar a data em que a companhia irá estrear nessa região.

IPHONE NÃO DEVE PRESSIONAR

Depois de mostrar controle rígido dos custos, a Vivo informou não esperar pressão nas margens com o início das vendas do iPhone da Apple ou de outros celulares de terceira geração que a companhia deve passar a comercializar este ano.

Raimar afirmou que "o iPhone não custa muito mais que o N95 da Nokia ou um Blackberry de primeira linha", modelos que a operadora já vende hoje.

Ele lembra que os preços de aparelhos "ano a ano vêm diminuindo" e que o próprio iPhone teve seu preço reduzido para metade no lançamento da terceira geração, que começou a ser vendido nos Estados Unidos em 11 de julho.

A Vivo, entretanto, não informa a data em que terá o modelo disponível nem quando dará partida à sua rede de terceira geração, para a qual comprou licenças em dezembro do ano passado.

Preferindo não fazer previsões futuras, Raimar afirmou que os custos dependem da atividade comercial de cada período do ano e da disposição do consumidor. "Crescer sempre custa porque ainda subsidiamos", disse.

A empresa disse estar acompanhando os índices de inflação, mas afirmou que eles ainda não preocupam no que se refira a celulares. "Hoje o celular é um meio de sobrevivência para vários profissionais, as pessoas precisam do celular, não é mais um luxo como no passado", reiterou o executivo.

Edição de Vanessa Stelzer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below