Alcatel-Lucent enfrenta a ira dos acionistas

sexta-feira, 30 de maio de 2008 17:37 BRT
 

Por Astrid Wendlandt

PARIS (Reuters) - Acionistas da Alcatel-Lucent fabricante de equipamentos de telecomunicações, criticaram nesta sexta-feira a remuneração e o programa de opção de ações a que tem direito a alta administração da companhia, diante do fraco desempenho dos papéis.

O presidente do conselho, Serge Tchuruk, tentou garantir aos investidores no que era esperado para ser uma tempestuosa reunião, a segunda da companhia desde a fusão, sobre os termos de uma possível mudança de comando na empresa.

Os acionistas aprovaram com mais de 80 por cento dos votos os termos da remuneração para a presidente-executiva da Alcatel-Lucent, Patrícia Russo, que pode chegar a 6 milhões de euros (9,3 milhões de dólares), resolução que pode elevar as especulações de que seu emprego esteja em risco.

Desde que ela assumiu o posto, em novembro de 2006, Russo comandou uma série de alertas sobre queda nas vendas e nos lucros, além de uma redução pela metade no valor das ações.

Russo foi remunerada com ações ao preço de 3,80 euros, informou o grupo, cotação que gerou protestos de vários acionistas. Os papéis fecharam esta sexta-feira cotados a 4,86 euros.

"Estou chocado com esse limite de preço de 3,80 euros. É como se encorajasse uma performance negativa, o que vai contra os interesses dos investidores", disse um acionista individual.

Russo, que iniciou o encontro com algumas palavras em francês para demonstrar que ela tentava cumprir a promessa de que aprenderia o idioma, informou que entendia a preocupação dos investidores sobre a queda no preço dos papéis.

"É um assunto sério (a queda na cotação). O fato é que estamos em uma indústria que atravessa uma série de mudanças que são, ao mesmo tempo, oportunidades e desafios", disse ela, desta vez em inglês. "Faremos melhorias em 2008 tanto financeira como operacionalmente", prometeu a executiva.