SAP adia lançamento de software novo depois de 1o tri fraco

quarta-feira, 30 de abril de 2008 15:13 BRT
 

Por Georgina Prodhan

FRANKFURT (Reuters) - A fabricante de software de negócios SAP anunciou resultados decepcionantes para o primeiro trimestre devido à desaceleração na economia dos Estados Unidos, e adiou as datas planejadas de lançamento de novos softwares, dos quais seus planos de crescimento dependiam, o que prejudicou suas ações.

A SAP atingiu o limite inferior de sua meta anual de crescimento de vendas de software e serviço, e manteve sua projeção de vendas, na quarta-feira, à medida que começa a integrar a Business Objects, a maior aquisição já realizada pelo grupo.

Mas a alta de 15 por cento nas vendas de software e serviços, o principal indicador de desempenho da SAP, ficou abaixo das expectativas do mercado.

Em termos de câmbio constante, a empresa informou que essa alta seria de 24 por cento.

A SAP informou que o mercado dos EUA estava difícil, ecoando comentários da rival Oracle, no mês passado.

"O mercado norte-americano foi mais difícil que o esperado, no primeiro trimestre", disse o presidente-executivo Henning Kagermann em entrevista telefônica coletiva. "Continuamos a acompanhar o mercado dos EUA com muita atenção."

Os resultados da SAP mantiveram a tendência desanimadora do setor de software no trimestre, que reverte a situação dos trimestres anteriores, quando os fornecedores de software empresarial pareciam protegidos contra os efeitos de uma desaceleração na economia norte-americana.

A Oracle anunciou vendas de software inferiores às esperadas, no mês passado, e alguns produtores de software de menor porte, como a Software AG, Lawson e Epicor também decepcionaram.

As ações da SAP caíram em 7 por cento do começo do ano para cá, e seu desempenho é 11 por cento inferior ao do índice europeu de tecnologia, mas a razão preço/lucro da ordem de 18, de acordo com a Reuters Estimates, ainda a torna comparativamente cara, diante do setor.

"Em meio a resultados pouco inspiradores e com contribuição fraca da Business Objects, acreditamos que os fatores de risco ainda pesem mais que as oportunidades", afirmou Bernd Laux, analista da Chevreux.