EUA lideram novo ranking de uso de tecnologia

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008 12:31 BRST
 

HELSINQUE (Reuters) - Estados Unidos, Suécia e Japão lideram um novo ranking que demonstra a eficiência dos países no uso de tecnologias de telecomunicação --redes, celulares e computadores-- a fim de promover sua prosperidade social e econômica.

O Connectivity Scorecard, criado por Leonard Waverman, professor da London Business School, e divulgado na quarta-feira, avalia os países de acordo com 30 indicadores, entre as quais o uso da tecnologia de comunicação.

"Todos os demais rankings em geral se concentram em medir os montantes investidos em tecnologias de informação e comunicação (ICT)", disse o professor Ilkka Lakaniemi.

Lakaniemi, que comanda a divisão de diálogo político mundial na Nokia Siemens Networks, a fabricante de equipamentos para redes de telecomunicações que solicitou o estudo, disse que a posição média da Coréia do Sul na lista é um claro indicador da abordagem diferenciada que o estudo emprega.

A Coréia do Sul em geral está nas posições mais elevadas desse tipo de ranking, mas Lakaniemi diz que isso se deve em larga medida ao pesado investimento público, enquanto o país fica para trás em termos de uso de tecnologia, especialmente pelas suas maiores empresas.

"Há muitos aplicativos para o consumidor, há muitos aplicativos de entretenimento, muito disso e muito daquilo, mas esses fatores na verdade pouco acrescentam à produtividade", disse Lakaniemi.

O estudo afirma que os EUA, maiores beneficiários da ICT, tiveram nota abaixo de sete em um máximo de 10 pontos, em larga medida devido ao fraco uso das vastas redes de banda larga disponíveis no país, o que indica que todas as nações podem melhorar.

"Os resultados indicam uma oportunidade para que os países obtenham centenas de bilhões de dólares em benefícios econômicos, ao repensar as maneiras pelas quais medem e possibilitam a conectividade", afirma o estudo.

A Rússia liderava a lista entre os países em desenvolvimento, bem à frente de China e Índia.

"Será interessante ver como a Rússia perderá posições no ranking, nos próximos 10 anos, e como a Índia subirá. Na Rússia, a população é mais velha, enquanto a força de trabalho indiana é mais jovem e tem educação melhor", segundo Lakaniemi.