Decodificação do DNA pode revelar seu sobrenome

quarta-feira, 8 de outubro de 2008 15:57 BRT
 

LONDRES (Reuters) - A polícia poderá prever, um dia, o último nome de suspeitos ou de vítimas de um crime do sexo masculino a partir somente do DNA, disseram pesquisadores britânicos nesta quarta-feira.

Cientistas da Leicester University, onde o decodificação do DNA foi inventada em 1984, disseram que eles demonstraram que homens com o mesmo sobrenome têm grande probabilidade de serem ligados geneticamente.

A descoberta poderá ajudar pesquisadores de genealogia e também detetives investigando crimes, que poderão usar traços de DNA encontrados em sangue, no cabelo, na saliva ou no sêmen.

A técnica é baseada na análise do DNA do cromossomo Y, que determina o sexo masculino e que, como o sobrenome, é passado do pai para o filho.

Não surpreendentemente, o sucesso de uma boa determinação genética depende da raridade do nome, com os nomes mais raros tendo ligações mais fortes.

Um estudo com 2,5 mil homens descobriu que, em média, há 24 por cento de chance de dois homens com o mesmo sobrenome dividirem um ancestral comum, mas essa porcentagem sobe para quase 50 por cento quando o sobrenome é raro.

Mais de 70 por cento dos homens com sobrenomes como Attenborough e Swindlehurst dividiam os mesmos tipos de cromossomo Y, ou tipos praticamente idênticos.

"O fato de que existe uma ligação tão forte entre o sobrenome e o tipo do cromossomo Y tem um uso potencial nas ciências forenses, já que sugere que, com um amplo banco de dados de nomes e perfis de cromossomo Y, a previsão do sobrenome a partir do DNA unicamente pode ser factível", disse Turi King, que irá apresentar sua pesquisa em uma conferência nesta quarta-feira.

(Reportagem de Ben Hirschler)