Japão e Coréia do Sul lideram em banda larga por fibra óptica

quinta-feira, 23 de outubro de 2008 11:58 BRST
 

AMSTERDÃ (Reuters) - Os cabos de fibra óptica se tornaram a maior tecnologia de banda larga na Coréia do Sul e no Japão, que lideram o mundo em termos de proporção de domicílios conectados à Internet por links de velocidade ultra alta, demonstram dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgados na quinta-feira.

As mais recentes estatísticas da OCDE sobre banda larga demonstram que a Coréia do Sul dispunha de 12,2 conexões de fibra óptica por 100 habitantes, em junho, ante 10,5 conexões por TV a cabo e 8,4 por linhas telefônicas DSL usando cabos convencionais.

O índice de penetração da fibra óptica aumentou ante os 10,4 por cento da pesquisa anterior da OCDE, divulgada em dezembro de 2007.

"É uma grande mudança. O setor está fazendo a transição para a fibra óptica e estamos vendo os resultados primeiro na Coréia do Sul e Japão", disse Taylor Reynolds, economista da

OCDE.

A penetração de fibra óptica na Coréia do Sul, sozinha, supera o índice de penetração geral da banda larga em cinco dos países da OCDE: Grécia, Polônia, Eslováquia, Turquia e México.

O Japão tem penetração de fibra óptica de 10,2 por cento, seguida por DSL com 9,6 por cento e cabo com 3,1 por cento.

O único país a se aproximar da Coréia do Sul e Japão é a Suécia, que tem seis conexões de banda larga em fibra óptica para cada 100 habitantes.

Estender as conexões de fibra óptica aos domicílios eleva substancialmente a velocidade da Internet, que também pode ser usada para TV de alta definição, serviços de vídeo sob demanda e outros recursos que exigem grandes larguras de banda.

O país mais conectado do mundo, de acordo com a OCDE, é a Dinamarca, com 36,7 conexões de banda larga para cada 100 habitantes; a maioria das conexões do país usa linhas DSL.

Na Europa, muitas operadoras de telecomunicações relutam em levar os cabos de fibra óptica diretamente às residências devido ao alto custo inicial e optaram por um compromisso, criando redes de fibra óptica que se estendem até as caixas de conexão nas ruas, mas usando cabos de cobre delas até as residências.