28 de Outubro de 2008 / às 19:17 / em 9 anos

Embratel espera manter crescimento de dois dígitos em 2009

RIO (Reuters) - Apesar da crise financeira internacional, a Embratel espera repetir em 2009 o crescimento de 12,5 por cento da receita líquida observado nos nove primeiros meses deste ano, afirmou nesta terça-feira o diretor-executivo da Embratel, Ney Acyr de Oliveira.

Segundo ele, a meta poderá ser cumprida graças a investimentos em novos produtos e à ampliação da rede realizados antes do agravamento da crise financeira mundial.

“A nossa expectativa com os novos produtos é termos um patamar de crescimento semelhante ao desse ano. Nossa expectativa é continuar crescendo dois dígitos”, disse Oliveira após participar de evento no Clube de Engenharia do Rio de Janeiro.

“Comparado com o mercado, sem telefonia móvel, é um resultado muito significativo (...) achamos que tem mercado para isso e a economia brasileira é sólida. Nossa expectativa é de impacto pequeno da crise no Brasil”, acrescentou ele.

O executivo citou entre os novos produtos lançados pela operadora o serviço de TV por assinatura via satélite. “Nesse momento estamos potencializando o que investimos”, disse Oliveira.

Segundo ele, até agora não há reflexos da crise no desempenho da companhia, unidade da gigante mexicana Telmex. “Até o momento não temos reflexo (na receita) e acreditamos que a crise é uma oportunidade para o setor de telecomunicações porque há uma redução de alguns custos com deslocamento e reunião de negócios o que gera necessidade de uma automação maior”, disse o executivo.

Oliveira afirmou que a alta do dólar pode afetar os custos da Embratel, mas como boa parte dos investimentos já foi realizada de “forma a suportar o crescimento esse ano e no ano que vem”, somente os investimentos visando 2010 poderão ser revistos.

“Acredito que se o cenário persistir, a gente tenha que rever alguns planos”, declarou. “Estamos otimistas com a economia brasileira e passada essa tsunami voltaremos a ter perspectiva positiva, embora com impacto pequeno na economia brasileira, mas sem frear nossos investimentos (...) um eventual freio refletiria em 2010”, afirmou.

O executivo não acredita que a crise mundial possa postergar ou suspender a fusão entre Brasil Telecom e Oi e acrescentou que a Embratel está pronta para enfrentar um novo concorrente nacional. “Acho que a fusão é uma realidade e uma necessidade para o mercado.”

Por Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below