Para EMBRATEL, nem sempre a maior empresa é a que sobrevive

quinta-feira, 30 de outubro de 2008 12:53 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente da Embratel, José Formoso Martinez, usou uma frase de efeito para abrir seu discurso na Futurecom 2008 nesta quinta-feira: "Não é a empresa mais forte que sobrevive, nem a mais inteligente, mas aquela que responde melhor às mudanças".

A frase, baseada em pensamento do naturalista britânico Charles Darwin (1809-1882), sintetiza, segundo ele, o momento da Embratel.

Como disse a jornalistas, diante da compra da Brasil Telecom BRTP4.SA pela Oi TNLP4.SA, a Embratel "é uma opção de concorrência muito interessante, uma alternativa real para os clientes".

A companhia preferiu não se manifestar contra ou favoravelmente à transação, mas disse que a empresa "concorre com eles (Oi e Brasil Telecom) todos os dias" e que sua prioridade agora "é atender ao mercado".

A Embratel começou a atender as pequenas e médias empresas este ano com uma rede de banda larga sem fio na tecnologia WiMax. Apesar do público ser sensível a preço e oferta de crédito, ele disse acreditar nas oportunidades existentes mesmo em meio a uma possível crise de liquidez.

"É melhor atender o mercado quando todos estão felizes, mas sempre há oportunidades", afirmou. Ele lembrou que esse segmento é um mercado novo para a companhia e, por isso, "vamos crescer".

Além disso, acredita que "melhorar os custos e a qualidade dos serviços é bom em momentos de crise" e que esse é o mote dos sistemas oferecidos pela Embratel.

Questionado sobre quais seriam os principais desafios da Embratel em 2009, Formoso citou "o crescimento da receita e a manutenção dos custos competitivos".

Ele disse não temer possíveis turbulências na economia porque afirmou que "o mercado brasileiro é enorme e tem muito potencial".

(Reportagem de Taís Fuoco)