Alibaba vai depender mais dos consumidores chineses

segunda-feira, 3 de novembro de 2008 15:05 BRST
 

Por Kirby Chen

PEQUIM (Reuters) - A Alibaba.com, principal companhia chinesa de comércio eletrônico, prevê que metade de sua receita será gerada por operações na China nos próximos três anos, à medida que a crise econômica passa a pesar sobre consumidores norte-americanos e europeus.

A Alibaba, que opera um site que conecta fornecedores e compradores interessados em importar e exportar produtos chineses, diz que as operações internas no momento respondem por 36 por cento de sua receita.

Mas, com as medidas que o governo chinês está tomando para estimular o consumo interno, o vice-presidente de finanças da Alibaba, Joseph Tsai, diz que a divisão da receita será mais equilibrada no futuro.

"Creio que teremos divisão meio a meio dentro de três anos", disse Tsai à Reuters em entrevista por telefone.

Com a desaceleração no crescimento das exportações, mais funcionários do governo chinês estão pedindo por novas medidas de apoio à demanda interna.

A Alibaba continua otimista quanto às perspectivas do exército de exportadores chineses, porém, e afirma que a China continuará a ser a fábrica do planeta.

"Do lado das exportações, ainda somos otimistas quanto à China como centro industrial do mundo, em longo prazo", disse Tsai, apontando para medidas do governo para estimular o crescimento baseado em exportações, depois da recente desaceleração.

Com a forte desaceleração no crescimento econômico do país, no terceiro trimestre, Pequim respondeu por meio de uma sucessão de medidas que incluem três cortes nas taxas de juros do país desde a metade de setembro, e ampliação nas restituições de impostos aos exportadores de produtos que empregam mão-de-obra intensivamente.

Já que os industriais precisam cortar custos, a Alibaba está tentando atrair novos clientes por meio de preços acentuadamente mais baixos pelo uso de sua plataforma de transações comerciais.

A empresa, na qual o grupo norte-americano de Internet Yahoo detém participação importante, anunciou na segunda-feira que reduzirá taxa anual de participação em 60 por cento, para 19,8 mil yuan (2.899 dólares), no caso dos exportadores.