"Cidadãos virtuais" querem espaço no governo Obama

terça-feira, 11 de novembro de 2008 20:02 BRST
 

Por Alex Dobuzinskis

LOS ANGELES (Reuters) - Barack Obama teve ao seu lado uma brigada lutando na Web, inclusive fazendo a fama de gente como a Obama Girl. Agora, milhares de jovens ativistas pedem que a Internet seja parte importante do novo governo dos EUA.

Ao menos neste começo de transição, o presidente-eleito parece estar de acordo. Analistas dizem que as ações de Obama podem sinalizar uma nova era no relacionamento dos cidadãos com os políticos.

Obama é o primeiro presidente eleito a ter uma página no MySpace. Desde a semana passada, seus assessores mantêm o site Change.gov, com notícias sobre a transição e até um espaço para quem quiser trabalhar no novo governo, que toma posse em 20 de janeiro.

Mas Obama também terá de lidar com as expectativas de seus seguidores, que durante a campanha se acostumaram a atualizações regulares em vídeo e texto, e que transformaram sites como YouTube, MySpace e Facebook em "comitês virtuais" do obamismo.

"Isso não pára aqui, eles vão esperar um governo em geral que opere sob regras diferentes", disse Michael Wood, vice-presidente da TRU, empresa de pesquisas que monitora o uso da Internet pelos jovens.

"Eles vão querer uma janela para o mundo que estiver acontecendo aqui, e isso é muito diferente de tudo o que já vimos", disse Wood.

O candidato republicano à Casa Branca, John McCain, também tinha ferramentas na Web, mas especialistas dizem que as de Obama eram melhores.

Sua página no Facebook, por exemplo, é a mais popular do site--já tem 2,5 milhões de apoiadores virtuais. Ali, o presidente-eleito revelou seus filmes favoritos e deu notícias sobre a campanha.   Continuação...