"Lap tup-niquim" é opção nacional para informatizar educação

quarta-feira, 12 de novembro de 2008 08:17 BRST
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - Enquanto o projeto do notebook educacional não avança dentro do governo federal, uma opção alternativa chegou a algumas escolas da cidade de Serrana (SP) com a promessa de custo baixo e maior conforto aos estudantes de escolas públicas.

O "lap tup-niquim", como foi batizado, ou a carteira escolar digital, foi patenteada por pesquisadores do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI) de Campinas e conta com o apoio da Secretaria de Inclusão Social do Ministério da Ciência e Tecnologia e da Secretaria de Ensino à Distância do Ministério da Educação.

Victor Pellegrini Mammana, gerente da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) de Displays do Governo Federal e um dos responsáveis pela patente do lap tup-niquim, afirma que o governo federal estuda a adoção das carteiras como uma alternativa, e não um substituto, aos notebooks educacionais.

Ele cita, entretanto, em entrevista à Reuters, que "o laptop (educacional) tem certas características, como tela pequena, teclado apertado e o fato de poder ficar obsoleto em pouco tempo".

Por isso, "surgiu idéia de fazer algo diferente, que valorizasse o conforto e a saúde" dos estudantes da rede pública.

No modelo, a carteira do aluno recebe uma tela de vidro que é, na verdade, um display sensível ao toque que interage com uma caneta e funciona como um terminal de computador.

Um software permite armazenar como arquivo digital tudo o que o aluno escreve com a caneta ou lapiseira e o terminal também pode acessar a Internet.

Segundo Mammana, "o preço do equipamento pode ficar abaixo de 800 reais por unidade" e um terminal pode ser compartilhado por vários alunos, o que reduz ainda mais seu custo.   Continuação...