Dono de restaurante caça caloteiros via Facebook

quinta-feira, 27 de novembro de 2008 09:33 BRST
 

MELBOURNE (Reuters) - Um dono de restaurante na Austrália que levou um calote de cinco jovens fregueses usou o site de redes sociais Facebook para localizá-los, e agora eles aprenderam a não cuspir no prato em que comeram.

Peter Leary, dono do restaurante Seagrass, uma casa de frutos do mar em Southbank em Melbourne, ficou furioso com os clientes que haviam pedido os melhores pratos do cardápio, incluindo ostras, trutas e peixe-imperador, acompanhados por vinhos caros. Eles saíram para fumar e fugiram sem pagar a conta.

Mas Leary, que ficou com um prejuízo de 520 dólares australianos (o equivalente a 340 dólares) se lembrou que um dos fregueses havia perguntado sobre uma antiga garçonete da casa. Ele a contactou e a moça sugeriu que verificassem alguns contatos no Facebook.

"Realizamos uma busca por alguns nomes e lá estava a foto dele", disse Leary, em referência a um dos caloteiros. "A foto mostrava ele com a namorada, a única mulher do grupo. Nós também descobrimos pelo perfil que o rapaz trabalha em um restaurante próximo, o que facilitou as coisas. Era evidente que eles conheciam o negócio", acrescentou.

Leary contactou o gerente do outro restaurante, onde o rapaz e sua namorada trabalhavam, e explicou a situação. Poucas horas depois, ele apareceu para pedir desculpas e pagar a conta, deixando uma gorjeta generosa para o pessoal.

Leary disse que o dono do restaurante em que o jovem trabalha ligou mais tarde para informar que o rapaz e sua namorada tinham sido demitidos.

"Pelo menos quanto a isso, acho que é possível dizer que estar no Facebook foi prejudicial para eles", disse Leary, que não tem intenção de tomar outras providências quanto ao caso ou chamar a polícia.

O Facebook, criado em 2004 como site social para alunos da Universidade Harvard, cresceu para 90 milhões de membros este ano, ante 24 milhões pouco mais de um ano atrás, e superou o rival MySpace para se tornar o maior site mundial de redes sociais.