Alcatel-Lucent pode abandonar redes móveis para se equilibrar

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008 10:07 BRST
 

Por Matt Gill

PARIS (Reuters) - O novo presidente-executivo da Alcatel-Lucent pode tentar resolver os problemas e a erosão nos lucros da empresa deixando o segmento de equipamentos para redes móveis que vem destruindo a lucratividade do grupo desde a fusão de 2006.

À medida que a recessão ataca as demais atividades de crescimento da empresa, Bern Verwaayen pode se sentir tentado a sair de um segmento que requer investimento elevado e não oferece perspectiva de encomendas significativas antes de 2010, já que as operadoras de telefonia móvel estão reduzindo seus investimentos.

Mas abandonar a divisão de redes celulares selaria o fracasso da grande fusão transatlântica de 34 bilhões de dólares que deixou o grupo com valor de apenas 5 bilhões de dólares, o que mal representa três vezes o montante planejado em sinergias anuais que o negócio prometia gerar, de acordo com analistas.

As ações do grupo despencaram 66 por cento este ano, depois de perderem 55 por cento em 2007.

A empresa deve anunciar uma grande revisão estratégica em 12 de dezembro, quando os investidores saberão como a terceira maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicação planeja deter seus prejuízos enquanto o mercado desaba ao seu redor.

"O setor móvel é pequeno demais, e eles provavelmente jamais conseguirão ganhar dinheiro com essa atividade", disse Pierre Ferragu, analista da Bernstein Research.

Para Thomas Langer, da West LB, a Alcatel-Lucent "pode deixar o mercado móvel" e "se concentrar na área fixa: cabo para fibra óptica, software e integração".

Alexandre Peterc, do Exane BNP Paribas, discorda: "Ao contrário de outros observadores, não antecipo que a Alcatel abra mão de suas atividades no segmento móvel; isso seria suicídio."

"Se eu fosse a France Telecom e tivesse um fornecedor de equipamentos que não pode fornecer uma solução de ponta a ponta de rede fixa e móvel eu nem sequer falaria com ele. Sair do setor celular significa perder não só aqueles negócios como todos os negócios de telefonia fixa", acrescentou.

Caso a empresa mantenha a divisão, diversos analistas afirmaram que Verwaayen precisa produzir um mapa claro que altere a aplicação de verbas de pesquisa em tecnologia obsoleta como a CDMA a fim de preservar recursos para bancar o padrão futuro, o Long Term Evolution (LTE), em tempo para a recuperação econômica.