Motoristas se distraem mais com celular do que com passageiros

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008 10:57 BRST
 

WASHINGTON (Reuters) - Celulares distraem mais os motoristas do que até mesmo o mais tagarela dos passageiros. Os aparelhos levam os motoristas a acompanhar com atenção excessiva a conversa e a se distraírem em trajetos, informaram pesquisadores dos Estados Unidos nesta segunda-feira.

Usar um sistema de viva-voz não melhora as coisas, e os pesquisadores acreditam ter descoberto o motivo: os passageiros agem como um segundo par de olhos, e ficam quietos ou ocasionalmente até ajudam quando percebem que o motorista precisa fazer uma manobra.

A pesquisa, publicada pelo Journal of Experimental Psychology: Applied, é nova prova que vem se somar aos crescentes indícios de que o uso de celulares pode representar perigo no trânsito.

Lee Strayer, da Universidade de Utah, e seus colegas constataram em uma série de experiências com simuladores de direção que os aparelhos de viva-voz para celulares distraem tanto quanto falar no aparelho em si.

Eles demonstraram que papear ao celular pode reduzir o tempo de reação de motoristas jovens ao patamar comum entre os idosos, e que os motoristas que usam celulares apresentam desempenho tão ruim quanto o de motoristas considerados embriagados sob a definição legal do termo.

Para o mais recente estudo, também em simulador, a equipe de Strayer demonstrou que motoristas que usam o viva-voz muitas vezes mudam de faixa sem aviso e que eles perdem suas saídas com mais freqüência do que motoristas que estejam conversando com um passageiro. Foram testados 96 adultos, dos 18 aos 49 anos.

"O passageiro adiciona um segundo par de olhos e ajuda o motorista a se orientar, bem como o lembra do caminho a seguir", afirmou Strayer em comunicado.

"Ao estudar os dados, fica claro que um motorista que esteja conversando com um passageiro não é tão prejudicado quanto um motorista que esteja falando ao celular", afirmou.

Os passageiros também simplificam a conversa quando as condições de tráfego mudam, afirmaram os pesquisadores.

A diferença entre uma conversa ao celular e com um passageiro é que o passageiro está no veículo e conhece as condições de trânsito, e pode ajudar o motorista ao lembrar de que uma saída está próxima, e alertá-lo quanto a riscos", disse Strayer.