Para ministério, TV digital brasileira está adiantada

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008 14:19 BRST
 

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO, 1o (Reuters) - Enquanto parte da indústria avalia como lenta a adoção da TV digital no Brasil, um ano depois da sua estréia, o secretário de telecomunicações do Ministério das Comunicações, avalia, ao contrário, que o país está "mais de um ano adiantado".

Roberto Pinto Martins, em entrevista à Reuters, leva em conta o ritmo com que o formato digital está chegando às cidades brasileiras.

"Belo Horizonte e Rio de Janeiro, dentro do nosso cronograma, poderiam entrar até janeiro de 2010, mas já entraram", cita o secretário. "Se compararmos (a TV digital no Brasil) com a adoção de outras tecnologias ou mesmo com a TV digital em outros países, vemos que isso não acontece da noite para o dia", afirmou.

Para Martins, "na medida em que mais emissoras desenvolverem uma quantidade maior de programas, a população vai ser mais estimulada" a aderir.

Em sua avaliação, a queda nos preços de televisores e conversores também será "um fator importante para a adoção da sociedade".

O secretário cita que, no caso dos conversores, "os preços já caíram mais de 70 por cento", uma vez que na estréia da TV digital, em 2 de dezembro de 2007, havia modelos custando mais de 1 mil reais, enquanto hoje há opções entre 300 e 500 reais.

Ele espera ainda mais queda de preços. "À medida em que as TVs forem saindo das fábricas no modelo digital, os componentes vão ser barateados e os preços vão cair ainda mais" com a economia de escala.

Em relação à quantidade de programação digital por parte das emissoras, Martins cita que "algumas já produzem 15 horas por semana e se preparam para elevar para 20 horas. Estamos em um ritmo bom", opina.   Continuação...