Brasil tenta novamente comprar notebook educacional

terça-feira, 9 de dezembro de 2008 13:43 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O governo brasileiro tenta, um ano depois, comprar novamente os notebooks educacionais para automatizar o ensino público.

Depois de uma licitação realizada, mas não consumada, no final de 2007, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) marcou para o dia 17 de dezembro um novo pregão eletrônico para a compra de 150 mil notebooks voltados à educação, com os quais espera equipar 300 escolas públicas.

A licitação foi convocada pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento Educacional (FNDE), órgão do ministério da Educação, e os equipamentos devem ser distribuídos às escolas ao longo de 2009.

No final de 2007, o projeto era conhecido por "laptop de 100 dólares", já que se inspirava em modelo parecido criado pelo pesquisador Nicholas Negroponte, para países em desenvolvimento. No Brasil, ele foi oficialmente batizado de Um Computador por Aluno (UCA).

O menor preço obtido na primeira licitação, entretanto,foi de 654 reais, oferecido pela Positivo Informática, mas o governo brasileiro considerou-o alto demais.

A companhia ainda renegociou com fornecedores para chegar ao preço de 580 reais por equipamento, mas ainda assim ele foi considerado alto pelo governo, que cancelou o processo.

Nesta nova licitação, segundo informações do edital, o critério para vencer ainda é o do menor preço, no pregão eletrônico, mas a indústria ainda terá de lidar com a alta do dólar, que encarece as partes e peças importadas usadas na montagem do notebook.

O edital não dá base de preço, só as especificações da máquina, que incluem sistema operacional Linux instalado e configurado, manual em português, memória RAM de no mínimo 512 MB e tela de cristal líquido de no mínimo 7 polegadas.

A máquina ainda deve ter requisitos de segurança e ser resistente a choques e quedas, além de ser confortável para o transporte pelas crianças.

(Por Taís Fuoco)