Panasonic corta investimentos e se reestrutura em meio à crise

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009 12:26 BRST
 

Por Sachi Izumi

TÓQUIO (Reuters) - A Panasonic cortará investimentos em duas novas fábricas de televisores de tela plana em cerca de 1,5 bilhão de dólares e vai abandonar negócios não rentáveis, em um momento em que o declínio econômico global atinge os lucros da empresa.

Economias mais fracas por todo o mundo têm diminuído a demanda por televisores de tela plana, câmeras digitais e outros produtos eletrônicos, e os preços estão mergulhando à medida que os fabricantes tentam se livrar de estoques que se acumularam.

A Panasonic, maior fabricante de televisores de plasma do mundo, informou em novembro que será necessário se reestruturar para poder lidar com um declínio que já forçou a Sony e outras rivais a fechar fábricas e cortar postos de trabalho.

A empresa, que deixou de usar o nome Matsushita Electric no ano passado, informou que cortará investimentos até 2012 em duas fábricas de televisores de tela plana sob construção em Hyogo, próximo a Osaka, em 135 bilhões de ienes (1,5 bilhão de dólares) ou 23 por cento, para 445 bilhões de ienes.

A fábrica na cidade de Amagasaki deve começar a produzir painéis de plasma a partir de maio deste ano, enquanto uma fábrica em Himeji está programada para começar a produzir telas de cristal líquido (LCD) a partir de janeiro de 2010.

A Panasonic também informou que poderá sair de negócios que foram deficitários desde o ano financeiro que terminou em março de 2007, incluindo operações da Sanyo Electric, rival de menor porte que a empresa iria adquirir este ano por até 9 bilhões de dólares.

(Reportagem adicional de Mayumi Negishi e Nathan Layne)