ANÁLISE-Luta da Nortel para sobreviver deve ter venda de ativos

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009 16:18 BRST
 

Por Wojtek Dabrowski

TORONTO (Reuters) - A Nortel Networks provavelmente perderá sua posição de maior fabricante de equipamento de telefonia da América do Norte à medida que vende ativos a preço de liquidação em um esforço desesperado de sobrevivência.

A empresa canadense anunciou na quarta-feira que "a crise financeira e a recessão mundiais" sabotaram seu esforço de recuperação, iniciado em 2005, levando-a a pedir concordata.

Agora, enquanto tenta fazer com que sua reserva de caixa de 2,4 bilhões de dólares dure por todo o período do processo de concordata, e em meio a um clima operacional persistentemente difícil, as vendas de ativos da Nortel, antecipadas por muitos, terão de acontecer em um momento economicamente importuno, para dizer o mínimo.

"Eles podem se ver forçados a vender ativos para se reorganizar, mas não conseguirão muito por eles", disse Ed Snyder, principal analista da Charter Equity Research. "É uma posição desconfortável."

Ele acrescentou que os potenciais compradores estariam "lutando pelos pedaços, em lugar de interessados em comprar o todo."

O mais provável é que a Nortel seja redimensionada e reduzida, enquanto reorganiza suas operações sob a proteção da concordata.

"Creio que a empresa deixará de existir em sua forma atual", disse Mark Sue, analista da RBC Capital Markets. "Será uma empresa muito menor, e seus ativos serão adquiridos por baixos valores."

Com os mercados de crédito ainda quase congelados, é improvável que haja interesse vindo de grupos de capital privado. Isso deixa os compradores estratégicos -ou seja, os concorrentes- como únicos interessados nas divisões da Nortel.

Entre eles podem estar a Alcatel-Lucent, Cisco Systems, Nokia Siemens Networks e Ericsson. No entanto, essas empresas enfrentam seus próprios desafios em meio à deterioração econômica e podem optar por reter caixa em lugar de investi-lo na aquisição de unidades da Nortel.

"Não vivemos um momento favorável à compra de ativos," disse Snyder.