Google vai demitir 100 recrutadores de pessoal

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009 10:31 BRST
 

Por Anupreeta Das e David Lawsky

SAN FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - O Google anunciou que demitirá 100 recrutadores de pessoal e fechará três escritórios de engenharia, no mais recente sinal de que os problemas da economia não pouparam nem mesmo uma das mais resistentes empresas do setor de tecnologia.

Em mensagem publicada no blog oficial do Google, Laszlo Bock, vice-presidente de operações de pessoal da empresa, disse que agora ela precisará de menos pessoas dedicadas à contratação de funcionários. Mas acrescentou que "o Google continuará contratando, mas em ritmo reduzido".

O Google começou o processo cancelando contratos com serviços externos de recrutamento, mas o agravamento das condições econômicas tornou necessário demitir funcionários de tempo integral, disse Bock.

"O número é bastante pequeno, mas o que me preocupa é que esse seja o primeiro exemplo de demissão de funcionários de tempo integral na história do Google", disse Sandeep Aggrawal, analista da Collins Stewart.

"Pessoas são contratadas quando há previsão de crescimento... Mas agora, como para todo mundo mais, a perspectiva de crescimento se reduziu para o Google", disse ele, acrescentando que calcula que o gigante da Internet cresça em 20 por cento este ano ante os 60 por cento de 2007.

O Google, que deve divulgar resultados de quarto trimestre na próxima semana, foi prejudicado pelo agravamento das condições econômicas, que limitou os gastos publicitários. Os anunciantes empresariais estão sendo mais contidos em seus gastos, o que prejudica o principal negócio do Google, a publicidade vinculada a resultados de buscas.

As demissões surgiram depois de uma série de outras medidas de corte de custos do Google, cujas ações sempre bem cotadas caíram abaixo dos 300 dólares pela primeira vez em três anos, em novembro.

Conhecido por suas festas extravagantes de final do ano, o Google decidiu reduzir a escala de suas celebrações em 2008, revelou uma fonte à Reuters anteriormente.

A empresa já havia cortado alguns trabalhadores terceirizados e reduziu alguns benefícios aos funcionários em seu refeitório de Nova York, em medidas cujo objetivo é economizar dinheiro.