Preços de chips DRAM podem subir por colapso de fabricante

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009 14:03 BRST
 

HELSINQUE (Reuters) - Os preços dos chips de memória DRAM podem subir acima do custo de fabricação deles para os fornecedores devido ao pedido de proteção judicial contra falência da Qimonda, afirmou a DRAMeXchange, uma empresa de pesquisa sobre componentes para aparelhos eletrônicos.

O grupo de pesquisa informou que existe "alta possibilidade" de um corte de 10 por cento na oferta mundial de chips de memória dinâmica de acesso aleatório (DRAM), desde que os demais fornecedores mantenham planos de redução de capacidade.

Os preços para os chips DDR2 de 1 gigabyte, usados como principais componentes de memória em muitos computadores pessoais, podem subir de menos de 1 dólar atualmente para entre 1,20 dólar e 1,50 dólar, o que representa seu custo em dinheiro para os fornecedores, segundo a DRAMeXchange, uma das principais organizações de acompanhamento de preços setoriais.

O setor está passando por sua pior desaceleração em mais de um ano, com todos os protagonistas reportando prejuízos em suas operações devido ao grande excedente de oferta de chips, usados primordialmente em computadores pessoais.

A Qimonda tornou-se na sexta-feira a primeira grande fabricante de chips DRAM a pedir proteção contra falência, como resultado dos imensos cortes de preços pelo setor e da compressão mundial do crédito.

Também na sexta-feira, a Samsung Electronics, maior fabricante mundial de chips DRAM, divulgou seu primeiro prejuízo trimestral, em larga medida devido aos seus negócios no segmento de chips DRAM.

De acordo com estimativas preliminares da iSuppli, a receita mundial com chips DRAM caiu em 19,8 por cento em 2008, para 25,3 bilhões de dólares, o segundo ano de queda, e deve cair em mais 4,3 por cento este ano.

"A concordata da Qimonda significa que os embarques mundiais de chips DRAM em 2009 devem agora crescer menos de 30 por cento, ante a projeção anterior de 35 por cento da iSuppli", disse Nam Hyung Kim, analista chefe de chips de memória na iSuppli.

"Isso ajudará a reduzir o crescimento da oferta, a estabilizar os preços e a mitigar a desaceleração incentivada pelo excesso de suprimento", afirmou ele.