Nokia renova linha de aparelhos para crescer em mercado em queda

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009 12:07 BRST
 

Por Tarmo Virki

HELSINKI (Reuters) - A Nokia exibiu três novos modelos de celulares, entre os quais o sucessor de seu modelo mais vendido, o 6300, em um esforço por ampliar sua participação em um mercado que está em queda.

O Nokia 6700 Classic, sucessor do 6300, modelo que se tornou um dos celulares de preço médio mais vendidos, estará à venda por 235 euros (307 dólares), desconsiderados impostos e subsídios, quando chegar ao mercado no segundo trimestre.

"O modelo deve ser um sucesso para a Nokia. Tem acabamento premium, mas será lançado ao mesmo preço que o 6300 original", disse Ben Wood, diretor de pesquisa da CCS Insight. "Ele deve se posicionar em um ponto do mercado no qual a Nokia já provou sua força".

As vendas de celulares devem despencar este ano, afetadas pela relutância dos consumidores em gastar em novos aparelhos, em meio à recessão econômica e aos grandes estoques acumulados pelos revendedores de celulares no final do ano passado.

O modelo 6700 terá uma câmera de cinco megapixels e recursos de navegação em GPS com o sistema Nokia Maps.

"Nosso novo modelo compartilha do DNA de seu predecessor, e acreditamos que será um dos nossos sucessos de vendas em 2009", afirmou Soren Petersen, vice-presidente sênior da Nokia, em comunicado.

A Nokia, maior fabricante mundial de celulares, também revelou os modelos 6303 e 2700, que devem ser vendidos por, respectivamente, 135 euros e 65 euros, excluídos subsídios e impostos.

"O 6303 oferece muitos recursos para seu preço. Pode se sair bem este ano, dado o aperto de cintos dos consumidores que talvez procurem por alternativa mais barata na troca de seus celulares", disse Wood.   Continuação...

 
<p>Nokia 6700 Classic, sucessor do 6300, modelo que se tornou um dos celulares de pre&ccedil;o m&eacute;dio mais vendidos, estar&aacute; &agrave; venda por 235 euros (307 d&oacute;lares), desconsiderados impostos e subs&iacute;dios, quando chegar ao mercado no segundo trimestre.</p>