Para YouTube, crise beneficia anúncios em vídeo online

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009 17:16 BRST
 

Por Ben Hirschler

DAVOS, Suíça (Reuters) - O mercado mundial de publicidade em vídeos online sairá beneficiado da crise econômica mundial porque as empresas estarão à procura de maneiras mais baratas e mais precisas de promover seus produtos, declarou o co-fundador do YouTube nesta sexta-feira.

Chad Hurley, presidente-executivo da empresa agora controlada pelo Google, disse que o rápido crescimento na demanda por vídeo online significava que seu site estava atingindo audiências maiores e comercialmente mais valiosas.

O YouTube cresceu rapidamente e se tornou o maior site de vídeo do mundo, com a oferta de uma deslumbrante variedade de conteúdo que varia de brincadeiras adolescentes a pronunciamentos do Papa Bento 16 e do presidente Barack Obama.

Hurley diz que o site recebe mais de 15 horas de conteúdo em vídeo a cada minuto, e que o número de posts continua a crescer.

"O mercado do vídeo online está atingindo massa crítica. Algumas das audiências que atraímos já têm dimensões semelhantes às de televisão", ele declarou em uma mesa redonda durante a edição deste ano do Fórum Econômico Mundial.

"Em um mundo como o atual, em meio a uma crise econômica, as pessoas estão tomando decisões mais inteligentes sobre como gastar seu dinheiro", ele disse.

"Elas trocarão algo que não é tão mensurável (a televisão) por um veículo que permite que atinjam audiência das mesmas dimensões, e a uma fração do custo", acrescentou.

O investimento geral em publicidade deve cair significativamente este ano à medida que a recessão mundial aperta, mas a mídia digital deve se manter com menos problemas que a tradicional, disse Maurice Levy, presidente-executivo do grupo publicitário francês Publicis, à Reuters, no começo da semana.

Hurley não quantificou o ritmo de crescimento publicitário, mas disse que estava testando diversos modelos publicitários, entre os quais práticas tradicionais da mídia eletrônica de massa, como os comerciais, assim como anúncios de abertura exibidos antes da execução de um vídeo. "É preciso experimentar", ele disse.