Recessão ajudará jogos online a avançar no Ocidente

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009 13:27 BRST
 

Por Rhee So-eui e Jennifer Martinez

SEUL/SAN FRANCISCO (Reuters) - Enquanto a recessão se espalha pelo mundo, as produtoras asiáticas de jogos online esperam que as pessoas que procuram por entretenimento online, muitas das quais perderam seus empregos e têm muito tempo disponível, ajudem o segmento a promover uma espera expansão para os mercados ocidentais.

Os jogos online, que permitem que milhares de participantes joguem simultaneamente via Internet, são uma das formas dominantes de videogame na China, Coréia do Sul e outras partes da Ásia.

Jogos de imenso sucesso como "World of Warcraft", da Blizzard Entertainment, e a série Lineage, da sul-coreanA NCSoft, atraíram milhares de usuários na região.

Os analistas estimam o mercado de jogos online em cerca de um quinto do tamanho do mercado de consoles de videogame. A receita total com jogos para computador deve atingir os 19 bilhões de dólares até 2013, de acordo com a DFC Intelligence, uma empresa do setor de entretenimento.

O acesso mais fácil à banda larga e uma cultura de jogos construída em torno de cibercafés ajudaram os games de computador a prosperar na Ásia. Na América do Norte e Europa, porém, os jogos via Web não conseguiram reproduzir o sucesso conquistado do outro lado do mundo, em larga medida devido à menor penetração da banda larga e às diferenças culturais.

Agora, a expansão da crise econômica talvez consiga promover o que anos de esforços de marketing não conseguiram, dizem produtores e criadores de jogos.

"Nas desacelerações econômicas, as pessoas procuram pelo maior retorno para o dinheiro investido em entretenimento. Os jogos online oferecem uma experiência de imersão em um mundo virtual que permite que as pessoas escapem às suas dificuldades cotidianas", disse Lan Hoang, presidente-executivo da Aeria Games & Entertainment, que oferece jogos asiáticos nos mercados europeus e norte-americanos.

Muitos dos jogos online são oferecidos gratuitamente, gerando receita por meio de microtransações como a personalização de personagens e recursos adicionais para jogos. Outros cobram taxas de cerca de 20 dólares ao mês.   Continuação...