Rockwell vê desaceleração nas vendas da América Latina em 2009

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009 14:30 BRST
 

BOSTON, Estados Unidos (Reuters) - A fabricante norte-americana Rockwell Automation espera queda nas vendas da companhia na América Latina, mas projeta salto nos negócios na China, disse nesta segunda-feira o presidente-executivo do grupo.

As duas economias ergueram-se como os principais destaques para a fabricante de sistemas que ajudam fábricas a operar de maneira mais eficiente. A empresa reduziu suas estimativas de ganhos em 2009 diante de uma queda dramática na demanda em seus principais mercados, que são os Estados Unidos e a Europa.

As vendas da Rockwell na América Latina cresceram 10 por cento no último trimestre, o primeiro do ano fiscal da empresa, e embora a companhia espere queda nesse índice, ela ainda projeta crescimento para a região.

"Esperamos que a América Latina exiba crescimento positivo no ano todo, mas não nos patamares que vimos no primeiro trimestre, de 10 por cento", afirmou Keith Nosbusch, em uma entrevista por telefone. "Nossa estimativa é que esse índice caia para um dígito durante o ano", completou.

Ele citou o Brasil como destaque na região. "O Brasil ainda é uma economia sólida e investe na conclusão de projetos em mineração e no segmento de óleo e gás", disse Nosbusch.

Depois de crescer 30 por cento no ano passado, as vendas da Rockwell na China tiveram avanço de 6 por cento no trimestre que acaba de terminar, índice que a empresa espera acelerar.

"Certamente elas (as vendas) verão uma pausa nesse movimento de queda", disse Nosbusch. "Esperamos ver alguma melhoria ao longo do ano".

Os clientes da empresa na China atendem, prioritariamente, companhias locais e projetos industriais, em vez de bens manufaturados para exportação para Estados Unidos e Ásia", disse Nosbusch.