Telefônica prevê investir 20% mais no Brasil em 2009

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009 13:26 BRST
 

BRASÍLIA (Reuters) - A Telefônica prevê elevar em 20 por cento seus investimentos no Brasil em 2009, para 2,4 bilhões de reais, afirmou nesta terça-feira o presidente da companhia no país, Antonio Carlos Valente.

O executivo informou que a empresa ainda não vê impacto da crise financeira internacional sobre o setor de telecomunicações no Brasil. O grupo investiu 2 bilhões de reais no país em 2008.

"Nosso setor está muito mais preparado para tempos difíceis do que outros setores", afirmou Valente a jornalistas, prevendo que a avaliação pode ser alterada se a crise gerar um impacto grande no índice de desemprego.

A projeção do investimento da Telefônica no país leva em conta previsão da empresa de crescimento do PIB de 2 por cento este ano. Mas pesquisa Focus, do Banco Central, desta semana prevê expansão da economia de 1,8 por cento.

O Brasil representa cerca de 15 a 16 por cento do faturamento do grupo no mundo, sendo que a América Latina representa 34 por cento, informou Valente.

O executivo informou que a companhia vai lançar em junho, em São Paulo, serviço de IPTV --de televisão pela Internet-- em parceria com a operadora de TV por assinatura TVA, da qual a Telefônica controla participação minoritária.

A Telefônica encerrou 2008 com 400 mil residências ligadas por fibra ótica e a meta da empresa é ter um crescimento "forte" nessa base este ano.

Em dezembro, a Telefônica havia informado que 2008 foi o melhor ano da história em venda de banda larga no país em números absolutos.

Na ocasião, Valente também afirmou que a companhia iria manter plano anunciado em 2007 de aplicar 15 bilhões de reais no Brasil até 2010 em todas as companhias do grupo.

(Reportagem de Isabel Versiani; Edição de Taís Fuoco)

 
<p>A companhia espanhola prev&ecirc; elevar em 20 por cento seus investimentos no Brasil em 2009, para 2,4 bilh&otilde;es de reais, afirmou nesta ter&ccedil;a-feira o presidente da empresa no pa&iacute;s, Antonio Carlos Valente Telef&ocirc;nica. REUTERS/Andrea Comas</p>