LG vai cortar US$2,2 bi em custos pela recessão

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009 16:42 BRST
 

Por Rhee So-eui

SEUL (Reuters) - A empresa sul-coreana LG Electronics pretende reduzir 2,2 bilhões de dólares em custos e prevê uma queda de 20 por cento nas vendas em termos de dólares durante este ano, diante da expansão da recessão mundial, disse nesta segunda-feira seu presidente-executivo.

A fabricante de celulares, televisores e eletrodomésticos não tem planos imediatos para cortar empregos, mas poderia eliminar alguns postos no futuro enquanto reorganiza sua base de produção em nível mundial, disse o presidente-executivo Nam Yong em uma coletiva de imprensa.

A LG, que tem subsidiária no Brasil desde 1995, tem em torno de 82 mil empregados em todo o mundo.

Devido à redução da demanda por conta da desaceleração econômica, os fabricantes de eletrônicos de todo o mundo tem tomado medidas drásticas de redução de custos e eliminação de empregos. A japonesa Sony Corp. disse em dezembro que reduziria um total de 16 mil empregos diretos e indiretos em todo o mundo.

"Uma vez que não se encontra uma solução do lado da demanda, a LG terá de ver a forma de cortar efetivamente os custos indiretos", disse Kevin Lee, analista da Woori Investment & Securities.

"Reduzir a folha salarial não será fácil diante da cultura local. Por isso, a LG provavelmente deixará isso como um último recurso em um cenário extremo", disse Lee.

É muito raro que as grandes corporações sul-coreanas anunciem cortes de emprego em grande quantidade, pois preferem reduzir sua força de trabalho através de planos voluntários.

A LG está tomando medidas para cortar custos em torno de 3 bilhões de wons (2,190 bilhões de dólares) durante este ano, com redução de gastos e custos de compras. Mas a empresa pretende continuar a investir para fortalecer o mercado e para o crescimento de novos negócios, como energia solar, disse Nam.

"A recessão mundial apresenta uma oportunidade chave (para crescer) em mercados emergentes", disse ele, e acrescentou que os negócios chave da LG em telefonia móvel e televisores ainda têm espaço para expandir sua atual participação de mercado.