Cuba tem planos de liberar acesso à Internet, diz ministro

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009 18:41 BRST
 

HAVANA (Reuters) - Cuba tem planos de liberar o acesso à Internet mas não o fez por problemas econômicos e de banda larga, disse nesta terça-feira o ministro de Informática, Ramiro Valdés.

Cuba argumenta que o embargo comercial imposto pelos Estados Unidos a impede de conectar-se à Internet pelo cabos de fibra ótica que passam por sua costa, obrigando-a a utilizar uma conexão por satélite mais cara e lenta.

O acesso à rede está restringindo principalmente os funcionários e acadêmicos, fazendo da ilha uma das sociedades menos conectadas da América Latina.

"Temos planos para eles", disse Valdés a jornalistas, quando perguntado sobre a possibilidade de liberar o serviço também a usuários privados.

"Conceitualmente não há (incoveniente). As restrições são tecnológicas e econômicas", adicionou o ministro de 76 anos, um dos ex-guerrilheiros a lutar sob o comando de Fidel Castro durante a revolução de 1959.

Valdés disse que a extensão de um cabo de fibra ótica desde a Venezuela, principal aliado político e econômico de Cuba, aumentaria a capacidade de conexão da ilha e permitiria a liberação do acesso.

"Vamos mudar isso", disse ele durante uma conferência sobre informática em Havana.

Funcionários cubanos esperam que o cabo de fibra ótica de 1.500 quilômetros esteja operando no início de 2010.

Enquanto isso, Cuba continuará a fazer um "uso social" da Internet, privilegiando o acesso coletivo e em centros acadêmicos, explicou Valdés.

(Reportagem de Esteban Israel)