Cuba adota "software livre" por razões de soberania

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009 16:26 BRST
 

Por Esteban Israel

HAVANA (Reuters) - Cuba lançou esta semana sua variante do sistema operacional de fonte aberta Linux, o passo mais firme da ilha até agora para dar as costas ao Windows, por motivos de soberania tecnológica e segurança nacional.

O "Nova" é uma alternativa ao sistema operacional da gigante do software Microsoft, que as autoridades comunistas da ilha consideram como pouco confiável.

"Trata-se de um tema muito importante para que obtenhamos maior controle sobre o processo informático", disse Ramiro Valdés, ministro da Informática e presidente de comissão para a migração ao software livre.

Os motivos são muitos. Para começar, o embargo dos Estados Unidos impede que Cuba adquira ou atualize produtos como o Windows, o sistema operacional mais popular do planeta, que só opera na ilha em cópias piratas.

Além disso, segundo o ministro Valdés, o software norte-americano é uma espada de dois gumes, porque os fabricantes abrem seus sistemas de codificação às agências de segurança do inimigo.

Ao contrário dos programas comerciais, o código-fonte do sistema operacional Linux é aberto e pode ser modificado pelo usuário de maneira a adequá-lo a suas necessidades.

"O movimento do software livre está mais próximo da ideologia do povo cubano, sobretudo pela independência e soberania", enfatizou Hector Rodríguez, diretor da Facultad del Software Libre na Universidad de las Ciencias Informáticas.

"O software privativo pode ter códigos maliciosos e problemas ocultos que não temos como conhecer. Isso não acontece com o software livre", acrescentou.   Continuação...